Bruno Souto e Patrícia Leme do Projeto 1º Dia

“Essa é uma grande chance.”

 

Bruno-e-Patricia-3

 

São Paulo – SP
Categoria: Não ficção
Projeto:
1º Dia
Reality_show_doc | Coautor: Patricia Carvalho Leme

Uma série que mostra que o 1º dia é sempre um dia especial.

Bruno Souto é redator publicitário. Já trabalhou nas principais agências do Brasil e em 2012, começou a desenvolver projetos para TV e cinema e é autor de um programa de ficção que está atualmente em negociação com o canal Multishow.

Durante o ano passado, Bruno e Patrícia Carvalho Leme, também redatora publicitária e co-autora do projeto, conversaram diariamente, trocando ideias, premissas e formatos diferentes para o que viria a ser o roteiro de “1º Dia”. Mas os jovens roteiristas não sabiam muito bem o que fazer com o que tinham. Quando souberam do concurso NETLABTV, decidiram que era a oportunidade de tirar as ideias do papel definitivamente.

“1º Dia” é de um doc reality sobre o primeiro dia de um acontecimento marcante na vida de alguém. A série revelará, por exemplo, como é o primeiro dia de liberdade de um preso,  o primeiro dia de um soldado do Bope, o primeiro dia de um casal que adota uma criança e tantos outros primeiros dias que marcam o futuro de muitas pessoas.

NETLABTV – Como surgiu seu interesse pela área de roteiro?

Patrícia Leme – Como redatora publicitária, sempre tive interesse em roteiros de longa-metragem e de sitcom. Bem antes da internet, já tinha roteiros do Woody Allen, Frasier, Seinfield, mas o interesse em começar em escrever só veio depois do Seminário “Story”, com o Robert Mackee.

Bruno Souto – Sempre gostei muito de cinema. E como redator publicitário comecei a me interessar pelo roteiro de longas e de séries. Então comecei a comprar livros e me aprofundar.

NETLABTV - Conte sobre sua experiência em audiovisual.

Patrícia Leme – Até 2011, minha experiência se resumia simplesmente a criar e produzir filmes publicitários. Foi quando participei do concurso “Crie-Curta”, da Brasileira Filmes. Meu roteiro “1988-2011” foi um dos vencedores e a Bia Flecha foi quem dirigiu.

Bruno Souto – Há 14 anos eu trabalho com publicidade. Desenvolvi filmes publicitários para vários clientes. Mas programas para TV é a primeira vez que participo.

NETLABTV-  Qual é sua formação (formal e/ou informal) como roteirista?

Patrícia Leme – Minha formação é informal. Participei dos seminários com Robert Mackee, fiz cursos com Adriana Falcão, Alan Kingsberg e Miguel Machalski no b_arco. Também fui fuçando a internet atrás de informação. Tem um blog chamado dicasderoteiro.com onde eu achei bastante coisa que me ajudou. No mais, fui escrevendo, reescrevendo, escrevendo, reescrevendo…

Bruno Souto – Li livros de roteiros e participei de cursos. Gosto muito do blog dicasderoteiro.com. É excelente e ajuda muito a quem está começando.

NETLABTV- Para você qual a importância de desenvolvimento de séries no Brasil?

Patrícia Leme – Ficcionais ou não, histórias ajudam a construir nossa identidade. Quando vejo novelas antigas, eu relembro de costumes, comportamento e músicas de um determinado momento do país. “Mulheres de Aço”, do GNT, por exemplo, não mostra apenas mulheres corajosas enfrentando o crime, é também um retrato do tipo de violência que enfrentamos hoje. Já as esquetes do Porta dos Fundos contam muito sobre nossa vida cotidiana, nossos políticos, nossos preconceitos, nossos relacionamentos etc. Um país que não produz suas próprias histórias é uma folha em branco.

Bruno Souto – Acho excelente. Enriquece a TV e absorve talentos.

NETLABTV - Na sua opinião, quais são os desafios de criar conteúdo para o mercado de TV?

Patrícia Leme – Os problemas comuns de um mercado em formação. Ainda não há um jeito certo de fazer, um caminho garantido, todos tentando acertar, tentando se profissionalizar. E tem o desafio do conteúdo em si, de acertar o tom, de ser menos politicamente correto, de trazer temas universais, mas com identidade brasileira.

Bruno Souto – O mercado está em desenvolvimento. Por isso os desafios são bem maiores. Estamos pavimentando o caminho. E isso dá trabalho.

NETLABTV- Quais são as maiores dificuldades que o profissional do setor audiovisual encontra hoje no mercado televisivo?

Patrícia Leme – Falando mais especificamente do roteirista, me parece que ainda não ocupa o espaço que deveria. Quando comecei (não há muito tempo) fiquei assustada em ver que muitos viam o roteirista como um profissional técnico, que formatava as ideias em roteiro, e não como um autor/criador. Ainda bem que isso já está mudando. O roteirista/criador independente, como é o nosso caso, ainda encontra dificuldade para conseguir um espaço e um diálogo direto com os canais da TV paga. Alguns canais já simplificam criando plataformas online para envio de projetos. Acho que funciona se isso não for uma mão única e os projetos tiverem algum tipo de feedback para que os dois lados possam ganhar.

Bruno Souto – O mercado está em desenvolvimento. E para os roteiristas as dificuldades são muitas. Não há escolas de formação, a remuneração é baixa, poucas produtoras têm estrutura para incorporar roteiristas. Acredito que com o tempo isso tudo vai melhorar.

NETLABTV- Que oportunidades você espera que o Concurso NETLABTV traga para sua carreira?

Patrícia Leme – Logo que o resultado saiu, já percebemos o interesse de algumas produtoras querendo conhecer outros projetos de nossa autoria. Queremos também aproveitar a visibilidade para tirar o “1º Dia” do papel!

Bruno Souto – Ótimas oportunidades. Acreditamos que é o primeiro passo para viabilizarmos o “1º Dia”.

NETLABTV O que te motivou a inscrever seu projeto no Concurso NETLABTV?

Patrícia Leme – Em 2012, eu e o Bruno começamos a desenvolver e escrever nossas ideias. No começo, ficamos meio perdidos sem saber o que fazer com os projetos que tínhamos, quem procurar… Eu ouvi falar do NETLABTV no RioContentMarket, em março, e logo pensei: “essa é uma grande chance.” Além da visibilidade caso ganhasse, pensei que só o fato de participar já seria um incentivo para desenvolver ideias que ainda estavam em maturação. Não posso deixar de elogiar a organização e a simplicidade para a inscrição dos projetos.

Bruno Souto – Testar os nossos projetos. Sentir se são comercialmente viáveis.

NETLABTVPor que não ficção?

Patrícia Leme – Nós não nos atemos a um único formato nem gênero. Gostamos de criar boas ideias para programa, sejam de ficção ou não ficção.

Bruno Souto – Nos inscrevemos nas duas categorias. Mas vencemos na de Não Ficção. Gostamos das duas.

NETLABTV Como surgiu o tema da sua série?

Patrícia Leme – Eu e o Bruno nos falamos diariamente, trocamos e-mails sobre ideias, premissas, formatos diferentes. Algumas são deixadas de lado, mas outras merecem atenção. Quando pintou a ideia do “1º Dia” logo vimos que era uma ideia poderosa e começamos a desenvolver imediatamente.

Bruno Souto – Batendo papo vamos jogando ideias na mesa. E uma delas foi o “1º Dia”. E quando a gente sente que é uma ideia que gostaríamos de ver como telespectadores, investimos mais.

NETLABTVFale um pouco sobre sua série e o público potencial

Patrícia Leme – A série, um doc reality, traz personagens reais vivenciando o 1º dia de algo muito especial na vida de cada um deles. Um episódio será o 1º dia de liberdade de um preso, outro episódio é o 1º dia de um soldado do Bope. Acredito que a série chame a atenção de um público com mais de 25 anos de idade. Como os assuntos são diversos e muito interessantes, a série vai cativar um público amplo.

Bruno Souto – São 13 episódios. A série, apesar de se passar em um dia apenas, é dividida em três blocos que vão contar o antes, durante e o depois do grande acontecimento do 1º dia.

NETLABTV Qual importância de participar do Laboratório e consultoria?

Patrícia Leme – Nós estamos muito empolgados com o Lab. É a chance de aprimorar e enriquecer nossos conhecimentos, trocar experiências, entender mais sobre o mercado, ouvir os canais. Enfim, vai ser uma semana enriquecedora.

Bruno Souto – Trocar experiências e aprender muito sobre o mercado.