Finalistas 2013

Finalistas Ficção

A BENÇÃO | Leonardo Garcia
Porto Alegre – RS | Drama | Médico | Coautores: Frederico Augusto Ruas dos Santos e Pedro Marques Harres
"A Bênção" é uma série médico-investigativa sobre uma droga capaz de suprimir o medo mais fundamental do ser humano: o medo da morte.

SINOPSE DA SÉRIE:

A vida de cinco pessoas em uma grande metrópole se altera profundamente ao se envolverem na criação de um medicamento revolucionário. "A Bênção" é uma série médico-investigativa sobre uma droga capaz de suprimir o medo mais fundamental e inerente do ser humano: o medo da morte. Os cientistas médicos LERNER e ARTHUR encabeçam uma importante pesquisa no renomado Laboratório GACHET. Porém, as coisas saem de controle quando duas das cobaias se suicidam. Temendo um escândalo, o Laboratório encerra a pesquisa e demite os dois médicos. Arthur sente-se culpado por terem ido tão longe. Lerner, indignado, ameaça o Laboratório Gachet: vai revelar todos os detalhes para a mídia. Logo em seguida, ele desaparece em circunstâncias misteriosas. Arthur entra em pânico e procura pela psiquiatra MARTA, esposa de Lerner, que lhe revela um perigoso segredo: existem outras pessoas tomando a droga clandestinamente. JÚLIO é um bombeiro que não consegue mais se colocar em situações de risco devido a um trauma. Com o tempo, se torna viciado no medicamento que o permite viver sem medo e fará de tudo para conseguir mais. Já CARINA é uma jovem problemática e depressiva. O uso desregrado da Benção em quantidades exageradas irá lhe dar a lucidez para identificar seu desejo íntimo mais obscuro: acabar com a vida de seus pais. E SANTO é um motoboy que, ao experimentar o remédio, vislumbra a possibilidade de enriquecer traficando a nova droga, apelidada nas ruas de “A Benção”. O polêmico medicamento surge em meio a essa teia de chantagens, ameaças e jogos de poder. Conspirações, relações conturbadas, desaparecimentos, e crime organizado permeiam os episódios enquanto as vidas de pessoas são transformadas ao cruzar o caminho da droga. “A Benção” é uma série sobre uma substância revolucionária, com poder de mudar o mundo para sempre.

SOBRE O AUTOR:

Leonardo Garcia

Leo Garcia é sócio da Coelho Voador, uma das primeiras produtoras de roteiro do Brasil, sediada em Porto Alegre. Mestre em Roteiro de Ficção para TV e Cinema (UPSA – Salamanca, Espanha), escreveu roteiros para longas, curtas e séries, tendo vencido editais como: SAV/MINC (“Ed”, curta, animação 3D, lançado em abril de 2013 e já selecionado para festivais em mais de 10 países mundo afora); FICTV (série “Elvis e o Cometa”, piloto foi ao ar na TV Brasil em 2010); o Prêmio Santander Cultural de Desenvolvimento de Projetos de Longa-Metragens por duas vezes (em 2009 com “Depois de Ser Cinza” e em 2011 com "De Kombi a La Loca"); e em 2012 o FAC/RS Pólo Audiovisual (a série “Bocheiros”, que foi gravada em maio de 2013 e irá ao ar no final do ano na TVE RS). Outro destaque foi a minissérie “Sapore D’Italia”, de 2011, a 1ª série internacional de ficção da RBSTV (afiliada da Rede Globo), que também veiculou na Globo Internacional. Recentemente foi o único brasileiro a receber uma "Beca Ibermedia" para participar do Segundo Encuentro Iberoamericano de Escritores Cinematográficos a ser realizado na Cidade do México de 25 a 28 de junho de 2013. Leo Garcia é também o idealizador e coordenador da Alfaiataria da Coelho Voador (contemplado no edital FAC/RS 2010), laboratório de criação de novos roteiros de longas e séries, que está dando oportunidade de mercado a novos talentos. Será o diretor geral do FRAPA, o I Festival de Roteiro do Brasil a ser realizado em novembro de 2013, em Porto Alegre.

AMORES GUARDADOS EM CAIXINHAS ESTAMPADAS | Caroline Fioratti
São Paulo - SP | Comédia | Romantica
Após uma decepção, Manuela terá que remexer em suas caixas de lembranças para desfechar relacionamentos inacabados. Em cada episódio, uma caixinha é aberta e um antigo amor se concretiza diante dela.

SINOPSE DA SÉRIE:

Abandonada pelo noivo na véspera do casamento e a alguns meses de fazer 30 anos, Manuela percebe-se sem rumo. O que fazer para superar esse trauma? Terapia? Uma viagem espiritual? Beber às mágoas em bares? Não. Manuela resolve arrumar o armário. “Jogue fora o velho para que venha o novo”. Mas essa não é um missão simples. Nunca treinou o desapego, tanto que guarda lembranças de todos seus ex-relacionamentos em belas caixinhas estampadas. E é para lá que vai o noivo. Será trancafiado e seguirá para o armário onde permanecerá junto com os fantasmas dos outros príncipes desencantados. Uma revolução está prestes à acontecer. Ao levar a nova caixa ao armário, Manuela é tomada por uma epifania: chegou a hora de vasculhar pelo seu arquivo de lembranças recalcadas e dar um fim aos relacionamentos mal acabados. Sabe que é preciso resolver o passado para viver novamente amores presentes. E a chegada de um novo interesse, um colega de trabalho, faz com que Manuela comprometa-se ainda mais com o extermínio dos zumbis do seu coração. Para isso contará com o apoio de Vini, seu amigo gay dos estranhos conselhos e de Penélope, sua amiga mística do ventre dançante. Entretanto, ao abrir a primeira caixa, destinada ao primeiro namorado, surpreende-se ao vê-lo se materializar na sala do seu apartamento. É o mesmo garoto de coturnos e camiseta do Pink Floyd, só que não mais com 15 anos e sim com 30. Manu vai ter que resolver seus assuntos mal acabados se quiser se livrar desse fantasma. Vai reviver o primeiro beijo, vai dançar as antigas baladas, vai ver novamente aquele filme e vai sentir mais uma vez aquele rompimento. Mas dessa vez, a sensação de fim é outra. A cada episódio, uma caixinha será aberta e um relacionamento inacabado será revisitado: antigos namorados, amizades coloridas e amores não correspondidos. Em cada caixinha um personagem do passado de Manuela voltará e ela terá a chance de dar um novo desfecho para cada uma de suas histórias.

SOBRE O AUTOR:

Caroline Fioratti

Formada em cinema pela FAAP, trabalhou 3 anos no Núcleo de Dramaturgia da Gullane Filmes. Recentemente escreveu o roteiro do longa-metragem 4x100, contemplado com o FSA 2012/2013, em produção pela Gullane com direção de Carlos Cortez. Criou e dirigiu a websérie BOTOLOVERS - Programa de Fomento ao Cinema Paulista. Escreveu e dirigiu curtas-metragens premiados como FORMIGAS, A GRANDE VIAGEM e o mais recente, ALGUM LUGAR NO RECREIO, roteiro contemplado com o Prêmio Estímulo e em fase de finalização. O sucesso em festivais do curta A GRANDE VIAGEM inspirou a criação de A GRANDE VIAGEM – A SÉRIE de ficção – 13 episódios, produzido pela Aurora Filmes, que será exibido na TV Cultura no início de 2014. Atualmente, finalizou o tratamento do roteiro do longa-metragem A COMÉDIA DIVIDA, do diretor Toni Venturi.

ANJOS DO ASFALTO | Fernando Américo
São Paulo - SP | Drama | Médico
Os emergencistas de uma equipe de resgate de uma grande rodovia superam seus limites para salvar vidas, mas pagam um preço enorme em suas vidas pessoais por se entregar de corpo e alma à profissão.

SINOPSE DA SÉRIE:

Os Anjos do Asfalto são membros de uma equipe especial de emergencistas composta por médicos, enfermeiras e socorristas que atuam numa fictícia rodovia do estado de São Paulo dos dias atuais. A idéia é mostrar o caos das estradas brasileiras pelo ponto de vista de quem tenta salvar vidas. A dramaturgia da série seguirá sempre o ritmo de pelo menos um acidente por capítulo. Situações difíceis que vão desafiar toda a perícia e bravura desta equipe. Nada que assuste estes profissionais; afinal, nenhum deles gostaria de trabalhar atrás de uma mesa, como um funcionário público. Todo emergencista é viciado em adrenalina, sente uma necessidade pessoal de salvar vidas, e tem a certeza que nunca seria feliz fazendo outra coisa. Para estes profissionais, a emoção é um componente básico do cotidiano. Estar tão perto da morte faz com que eles valorizem cada momento da vida. Por outro lado, esta necessidade de salvar vidas cobra um preço caro na vida pessoal. O lado emocional que move os Anjos do Asfalto também pode fazê-los falhar em seu objetivo maior. Um emergencista que não controla suas emoções não é confiável para salvar vidas. Como conciliar estes dois opostos? É assim, na corda bamba entre a objetividade necessária ao trabalho e a emoção que ele provoca, que ANJOS DO ASFALTO aposta suas fichas. O objetivo maior é produzir uma obra de entretenimento sobre pessoas comuns tendo que superar seus limites em situações extraordinárias.

SOBRE O AUTOR:

Fernando Américo

Roteirista e escritor. Trabalha na área como roteirista de programas na Record, SBT e Band, além de trabalhos para TV a cabo, como Multishow e Discovery. Roteirista de reality shows (O Grande Perdedor, Casamento à Moda Antiga, Amazônia, Batalha de DJs), programas de auditório (Tudo é Possível) e game shows (Você é mais esperto que um aluno da 5ª Série?) Durante dois anos, atuou como diretor de criação da Endemol Brasil, onde teve a oportunidade de criar e adaptar vários formatos televisivos. Em 2012, lança seu primeiro livro, o romance policial Terroristas S.A.

CAPITAL | Laís Cecília Ribeiro
Brasília – DF | Drama | Comédia
Série juvenil sobre a vida de quatro filhas de líderes políticos, que vêem suas vidas em meio a escândalos públicos e dramas pessoais provenientes da transição entre a juventude e a fase adulta.

SINOPSE DA SÉRIE:

CAPITAL é uma série para TV que narra a vida de um grupo de jovens garotas da alta sociedade de Brasília e tem como tema principal a relação indireta das protagonistas com a política. Filhas de importantes líderes políticos, as personagens protagonizarão, junto com suas famílias, casos diversos de corrupção, suborno, a impunidade de alguns criminosos políticos, a farsa de outros, assassinato por ambição e demais assuntos. Apesar da vida de glamour e exposição que Marcela Bragança, Bárbara Carrara, Maria Izabel González e Beatriz Ferrari levam, elas são apenas jovens garotas com sonhos e convicções como qualquer outra.

SOBRE O AUTOR:

Laís Cecília Ribeiro

Formanda em Cinema & Mídias Digitais, Laís Cecília Ribeiro passou os últimos quatro anos trabalhando em produções cinematográficas e em emissoras de TV de Brasília. Também finalizou em 2013 o seu primeiro curta metragem onde foi roterista e diretora. O estudo na área de cinema e mídias digitais a ajudou a criar quase dez roteiros universitários que em cada semestre eram aperfoiçoados. Com esta experiência também foi contratada para escrever roteiros comercias e institucionais. Laís Cecília pretende não parar por aí. Sua paixão em escrever histórias cresceu e se tornou profissão.

COMO CASAR COM ANDRÉ MARTINS | Angélica Gomes dos Reis Marcondes
São Paulo - SP | Comédia | Infantil | Coautores: Ana Cristina Araújo Ayer de Oliveira e Flávia Dib Amado
A história de uma pré-adolescente obcecada por André Martins. Como Coiote à caça de Papa-léguas, ela cria arapucas e estratégias a fim de chamar a atenção do garoto.

SINOPSE DA SÉRIE:

Como casar com André Martins é uma série sobre a primeira paixão de Ana Paula, uma garota de 13 anos vivendo um amor não correspondido. A história se passa nos anos 1980, numa cidade do interior, em algum lugar do Brasil, mais precisamente numa rua sem saída. O ponto de encontro da turma é a mureta da casa do Pança. Ali a convivência com os amigos é diária e visceral. Num mundo onde internet é coisa de ficção científica, a única maneira de chamar a atenção de André Martins é promovendo ações espetaculares. Para Ana Paula isso não é problema. Naturalmente ousada e destemida, ela adora se arriscar. A seu ver, André Martins precisa de uma mulher que fuja dos estereótipos femininos. Na sua mentalidade pré-adolescente, paixão é sinônimo de extrapolar limites. A cada episódio Ana Paula tentará uma estratégia diferente, criando arapucas estrambóticas feito o Coiote à caça do Papa-léguas. Mas enquanto Ana Paula é movida por sua obsessão, a turma vive suas próprias histórias. Cabeça, discípulo de Raul Seixas, está se iniciando em ocultismo e magia. Cabelo alimenta rixas com a turma da rua de baixo enquanto Guilherme Martins, irmão caçula do André, vive uma paixão secreta por ninguém menos que Ana Paula. Ana Lu, articulada e antenada, faz a ponte entre a rua e o resto do mundo. Ela é rata de concurso e tem por objetivo ganhar uma viagem para a Disney. Enquanto isso Ana Rosa, fiel leitora da Capricho, navega por um universo feminino regido por Cindi Lauper, Madonna e Rita Lee. Pança, o sétimo integrante da turma, é um garoto cercado por mistérios. Sereno e descontraído, ele não deixa a mureta por nada. Por fim temos Sheila, a grande vilã. Linda, loira e cruel, ela exerce seu poder sobre os meninos da rua, impondo suas vontades como bem deseja, sem esforço. Mas sua influência não acaba aí. Ela é irmã mais velha da Ana Paula e namorada de Roger Martins, uma combinação maligna. Tendo como pano de fundo os anos 1980, a série retrata um mundo anterior à invenção da internet.

SOBRE O AUTOR:

Angélica Gomes dos Reis Marcondes

Estudou rádio e televisão na Unesp e atua na área desde 1997. Como roteirista freelancer, trabalhou com diversos formatos de programas de tv e colaborou com canais como Nickelodeon, MTV, TLC, Globo, TV Cultura, Discovery, Cartoon Network, TV Brasil e outros. Seus trabalhos mais recentes são animações, sendo que duas delas vão estrear no Gloob ainda esse ano: Osmar, a primeira fatia e Tronquinho e Pão de Queijo.

CURTE OU COMPARTILHA? | Leandro Nascimento Silva
Tauá – CE | Comédia | Comédia Romântica
Após sofrer um misterioso acidente a tímida Manu acorda na pele de Mila Verdana, seu antigo perfil falso usado nas redes sociais, que agora se tornava uma celebridade dentro e fora da internet.

SINOPSE DA SÉRIE:

A vlogueira Mila Verdana é uma verdadeira celebridade na internet. Seus vídeos se tornaram referência entre os internautas, possuindo milhares de seguidores e amigos virtuais com o seu perfil nas redes sociais. Atual, inteligente, descolada e, principalmente, misteriosa, parte da sua fama é alimentada pelo fato de ninguém conhecer Mila fora da internet.

Seus fãs e seguidores não imaginam que Mila é apenas uma identidade virtual criada pela tímida Manu, estudante de dezesseis anos que, diferente de sua criação, quase não possui amigos, e passa sempre despercebida entre os demais. O que por um lado a ajuda a manter o seu segredo guardado. Mas logo ela se depara com o seu maior pesadelo, quando sua identidade é revelada para todo o colégio, no seu primeiro dia de aula em uma escola nova. Assustada, ela foge e acaba inconsciente ao sofrer um acidente após confirmar uma mensagem anônima no celular de alguém que prometia realizar o seu desejo. Ao acordar ela percebe que sua vida foi interrompida por uma drástica mudança. Tudo à sua volta ganha uma nova direção, e todos agora a conhecem como sua identidade virtual – a famosa e bem sucedida vlogueira Mila Verdana. Instantaneamente ela acaba se tornando uma celebridade também fora da internet. Agora com todos os olhares voltados para si Mila retorna a escola e se depara com situações como se a antiga Manu nunca tivesse existido. Manu (ou Mila) viverá momentos onde ficará insustentável tanta exposição e assédio, e terá que descobrir o que realmente aconteceu depois do misterioso acidente e escolher se quer avançar com a carreira de celebridade da internet ou voltar à rotina de quando era apenas uma vlogueira com uma vida social modesta.

SOBRE O AUTOR:

Leandro Nascimento Silva

Leandro do Nascimento, assinando como Leo Adavlis, é roteirista novato do interior cearense. Atuando inicialmente como roteirista de quadrinhos, com o projeto digital Prozine! Recentemente, vencedor do IX Edital de Cinema e Vídeo do Ceará, nas categorias animação, curta-metragem e roteiro para a TV, com os títulos: Bravo, 10Encontros e Add-me, respectivamente. Desde 2010 é colaborador em uma Ong na região dos Inhamuns (interior do estado do do Ceará) onde mantém parceria com a Escola de Cinema e Video dos Inhamuns, ministrando oficinas de audiovisual no segmento de produção de Roteiro.

LIGUE DJÁ! | Luiz Antonio Barreto Goes
São Paulo - SP | Comédia | Sátira
Um vidente charlatão, que no entanto comanda um império midiático e tem muitas clientes como celebridades, contrata uma assistente "nerd" que realmente tem poderes sobrenaturais.

SINOPSE DA SÉRIE:

“Ligue Djá” pretende explorar, de maneira bem-humorada, a cultura da celebridade e as infinitas fraquezas humanas na busca por glória, dinheiro e felicidade. Djalma Diamond é o mais famoso vidente do Brasil. Combinando astrologia, cartomancia e outras artes esotéricas, ele faz previsões que são divulgadas em jornais e revistas. Também tem um programa de TV, um website, uma linha de produtos licenciados e uma carteira de clientes VIP, que atende a domicílio. Seu visual espalhafatoso faz muito sucesso, mas agora ele se vê a ponto de perder tudo: um repórter investigativo está disposto a provar que ele não passa de um charlatão, já que poucas de suas previsões se concretizaram. Uma concorrente mais jovem também está lhe roubando público. É nesta conjuntura negativa que Djalma contrata uma nova assistente. Suzy é uma moça discreta, sem nenhuma pretensão ou talento para o showbiz. Mas tem poderes paranormais de verdade, que Djalma tentará usar a seu favor. Nem sempre dará certo...

SOBRE O AUTOR:

Luiz Antonio Barreto Goes (Tony Goes)

Trabalhou como publicitário, mas sua maior paixão são as "sitcoms". Foi roteirista de uma das iniciativas pioneiras do gênero no Brasil, a adaptação da série americana "Who's the Boss", da Columbia Tristar, para a TV Bandeirantes, em 1999 (virou "Santo de Casa"). Escreveu episódios para as séries "Ô, Coitado!" (SBT, 2000) e "Avassaladoras" (Record, 2006), de linguagens bem diferentes. Atualmente trabalha em um projeto entre os 12 selecionados pelo 1o. Projeto Globosat de Desenvolvimento de Roteristas ("O Filho do Meio"). Participou do workshop com Marta Kauffman (criadora de "Friends") e outros "gurus" da TV americana. Atualmente pariticipa do "writer's room" em duas séries que estreiam em 2014: "Chama o Síndico!", para a TV Cultura, e "Meu Amigo Encosto", para o canal pago Viva. Além disso, colaborou nos roteiros dos longa-metragens "Avassaladoras" (de Mara Mourão, 2002) e "Gatão de Meia-Idade" (de Antonio Carlos da Fontoura, 2006). Assina colunas nas revistas "Women's Health" e "H", e também no F5, o site de entretenimento da "Folha de São Paulo".

MANSÃO BELLEVILLE | Alexandre Machado de Sá
São Paulo - SP | Drama | Terror | Coautor: Melina Maria Manasseh
Em um prédio antigo no centro de São Paulo, Luciano e Margot passam as tardes com a avó. Eles descobrirão que o edifício Mansão Belleville esconde segredos, mistérios, perigos e a história da família.

SINOPSE DA SÉRIE:

Margot e Luciano são irmãos e todas as tardes são deixados na casa de sua avó Yvone no edifício Mansão Belleville. Um prédio antigo com elevadores de portas que rangem e zelador bizarro onde vive também o tio Bolha. O tio Bolha é um senhor gordo e maluco que tem um gato acinzentado chamado Cat Mandoo com quem conversa o tempo todo e é cercado por brinquedos de lata antigos, bolas de gude, peões... Lá as crianças são sempre largadas a sorte. É nesse apartamento, nesse edifício e em seu entorno que aventuras incríveis e fantasmagóricas são vividas e que muitos mistérios, com pitadas de humor e gosma, serão descobertos. Vovó Yvone acaba de se mudar para o prédio onde passou grande parte de sua infância. A Mansão Belleville, nome dado ao edifício por ter sido idealizado pelo pai de Yvonne e Bolha, e por ter sido um dos primeiros arranha-céus da cidade é reconhecida como um dos mais antigos monumentos e é lembrada em cartões postais e nas fotos penduradas nas paredes do apartamento. Como a mãe dos meninos, uma famosa fotógrafa jornalística está desaparecida, eles não tem mais com quem contar se não um com o outro e com a família da mãe. Nessa casa muito engraçada e cheia de peculiaridades, Margot e Luciano irão aprender a valorizar as esquisitices da família, se lembrarão da mãe e dos momentos prazerosos que tiveram ao lado dela e fortalecerão a união entre eles, vencendo o mal e descobrindo quem são realmente.

SOBRE O AUTOR:

Alexandre Machado de Sá

Ale McHaddo é produtor e diretor de animação e sócio fundador da 44 Toons. Iniciou sua carreira em 2002 com o curta "Lasanha Assassina". Desde então, vem colecionando prêmios nacionais e internacionais. A série "Nilba e os Desastronautas" é a 1ª série animada a ser exibida por uma TV americana e o curta "Osmar, a 1ª Fatia do Pão de Forma" ganhou o prêmio de melhor piloto de série para criancas de 11 a 14 na MIP JR de 2009 em Canes. A 44 Toons hoje produz o seu primeiro longa metragem de animação, "Bugigangue no Espaço" e a série do "Osmar..." com data marcada para estrear no Gloob e na TV Cultura em outubro de 2013.

MORRO DA NEUROSE | Arnaldo Branco
Rio de Janeiro - RJ | Comédia | Falso Documentário
Falso documentário humorístico sobre o crime organizado no Rio de Janeiro.

SINOPSE DA SÉRIE:

Morro da Neurose é uma série cômica em forma de falso documentário sobre Charlinho, um traficante com curso superior completo (embora de Letras) e seu braço direito Arrombado, que trabalha no tráfico em meio período para completar seu salário na PM - onde é conhecido como Sargento Josias. Charlinho dá depoimentos para o documentário em dois tempos: no presente, quando está preso no distrito policial comandado pelo Delegado Euclydes, e no passado, quando comandava sua boca no Morro da Neurose (uma comunidade fictícia no Rio de Janeiro) e fugia da polícia. A série mostra a saga de seu bando em fuga, comentando de forma bem humorada os sérios problemas e contradições da nossa sociedade.

SOBRE O AUTOR:

Arnaldo Branco

É roteirista da TV Globo (Casseta e Planeta / Domingão do Faustão); escreve e dirigi a série Overdose, da MTV; foi roteirista do sitcom Quase Anônimos, do Multishow; contribuiu para o piloto da série Vida de Estagiário (em exibição na Warner); escreveu o roteiro da série Mundinho Animal no programa de animação Tosco TV, do Canal Brasil; fez os roteiros dos curtas de animação Mar de Paixão e Samba de planície e roteiros para a série de animação Irmão do Jorel, do Cartoon Network (todos em produção)

NADA A PERDER | Marcio Schoenardie
Porto Alegre – RS | Comédia | Humor Negro | Coautor: Janaina Daudt Fischer
Boaventura descobre que vai morrer e passa a frequentar um grupo de apoio psicológico. Juntos, aos trancos e barrancos, formam um grupo de vingadores à beira da morte. O que eles têm a perder?

SINOPSE DA SÉRIE:

Uma comédia de humor negro sobre um grupo de doentes terminais que usa seus últimos dias para se vingar do mundo. É como se cada um pudesse - e nossos personagens podem - descer do carro e tirar satisfação com o motorista que buzina sem parar, rir do padre na missa, sequestrar a professora do primário e perguntar para ela, afinal de contas, porque ela sempre pegou no seu pé. O que pode acontecer com eles? Nada pior do que o que já os espera. O personagem principal de Nada a Perder é Boaventura, um professor de 35 anos que teve a vida transformada há seis anos por uma prisão injusta. A série inicia quando ele, já em liberdade, é diagnosticado com uma doença sem cura. Ainda que a contragosto ele passa a frequentar um grupo de apoio a doentes terminais, onde conhece seus futuros companheiros e cúmplices. Movido inicialmente por motivos banais, como arranhar o carro do vizinho que estaciona no lugar errado ou vontade de correr nu no supermercado, o grupo percebe que, diante de suas vidas prestes a acabar, eles não têm nada a perder comportando-se como sempre quiseram e que, para evitar suspeitas, cada um deve executar a vingança pelo outro. Os participantes do grupo têm ideias diferentes sobre como agir e é neste ambiente de incertezas e planos nem sempre bem sucedidos que as vinganças trarão a eles uma nova energia. Ainda que nem todos sobrevivam. Enquanto o grupo executa suas transgressões, Boaventura vai em busca de respostas sobre o passado e planeja uma vingança pessoal contra um inimigo que ainda não sabe quem é. Na estrutura de cada episódio a ação irá se concentrar em três tramas recorrentes: a vingança principal de um dos participantes do grupo, um problema gerado pela execução dessa vingança e a busca de Boaventura pelo culpado da sua prisão. No Humor Negro, rir da tragédia é o tom principal. Errando o alvo ou acertando em quem nem percebe, o grupo de vingadores fará da morte sua cúmplice.

SOBRE O AUTOR:

Marcio Schoenardie

Roteirista e diretor de séries e curtas metragens. Que direito é esse? - direção (Canal Futura); Vida de República - roteiro e direção (Canal Futura); Ser saudável - direção – (TV BRASIL); Mulher de Fases - direção - (HBO); Fantasias de uma dona de casa - roteiro - (RBS TV); O sete trouxas - roteiro e direção ( curta-metragem).

O CALÍGRAFO | Ricardo Matsuzawa
São Paulo – SP | Drama | Policial | Coautor: Leandro Vieira Maciel
Em "O Calígrafo", um detetive incomum lê a alma de suspeitos e testemunhas somente através do que eles escrevem. Ele usa essa habilidade para resolver casos ao mesmo tempo sobrenaturais e mundanos.

SINOPSE DA SÉRIE:

"O Calígrafo" é um drama policial e de terror centrado em um homem solitário, dono de uma habilidade única: reconhecer o que a pessoa esconde por trás da grafia dela. Trabalhando de forma precária, o Calígrafo é procurado por gente desesperada, que o procuram pelos mais inusitados motivos. A figura do Calígrafo conduz uma série de meia hora. Os episódios são centrados no caso do dia; ele recebe um contratante no começo do episódio, em seu escritório caindo aos pedaços, no centro de uma grande cidade. Costuma receber seus clientes com mau humor, e seu passado conturbado o obriga a manter um estojo com 2 canetas de prata (pontiagudas, num estranho formato de adaga) e seu revólver Três Oitão sempre à mão. O trabalho para o qual o calígrafo é contratado no episódio piloto dá o tom da série: um advogado porta-de-cadeia o contrata para provar na justiça que o cliente dele, um suposto homicida, na verdade é uma pessoa dominada por diversos espíritos cada um com sua caligrafia particular. Um deles é o verdadeiro assassino e cabe ao Calígrafo provar isto. Por conta do perfil dele, um dos poucos colegas do Calígrafo é Alana. Ela é uma designer digital, uma antiga aluna dele e que eventualmente o ajuda na análise das grafias e em documentos feitos somente em computador. Alana é apaixonada pelo Calígrafo mas, como um bom mestre, ele a trata como bem entende, sempre com uma justificativa moral que só ele entende. O Calígrafo tem seu próprio mistério, que ele tenta desvendar a longo prazo: ele é obcecado pela ideia de que alguém - Deus ou Diabo - está lhe mandando mensagens cifradas. A cada episódio um novo pedaço dessa Carta surge para o Calígrafo. Assim a cada episódio convidamos o espectador a descobrir qual é o próximo enigma que irá desafiar o Calígrafo, e a se divertir com uma história cheia de suspense, cultura pop e espiritualidade.

SOBRE O AUTOR:

Ricardo Matsuzawa

Graduado em Comunicação Social - Rádio e TV pela Universidade Estadual de São Paulo - UNESP, especialista em Fundamentos da Cultura e de Artes do Instituto de Artes da mesma universidade. Mestre em Comunicação Contemporânea pela Universidade Anhembi Morumbi com o projeto UM TERRITÓRIO COMUM – Memória pessoal e memória cinematográfica nos filmes de Wim Wenders dos anos 80. Com experiência em diversos setores da produção audiovisual desde 2002, é professor da Universidade Anhembi Morumbi. O desejo em trabalhar como roteirista ficou infelizmente limitado as experiências como estudante de graduação, destaque em dois prêmios universitários na área: primeiro lugar na modalidade: Roteiro para Cinema e Vídeo - Crepúsculo adaptação livre da obra de Fiodor Dostoievski., V EXPOCOM / XXI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação - INTERCOM - Recife e terceiro lugar na modalidade: Roteiro para Cinema e Vídeo - Clichês, VII EXPOCOM / XXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação - INTERCOM - Manaus.

TERROR NOTURNO | Celso Eduardo Leite Vecchi
São Paulo - SP | Drama | Terror
Para salvar sua infância, Guto e seus amigos têm de enfrentar um enorme pesadelo: o monstro construído por seus próprios pais.

SINOPSE DA SÉRIE:

Em decorrência da competitividade instituída no sistema educacional do Brasil, um grupo de crianças de um renomado colégio de São Paulo, sem saber, é medicado pelos próprios pais com um remédio que os torna mais concentrados nos estudos. O resultado é imediato: crianças mais focadas, que brincam menos e que tem notas cada vez mais altas. Mas como é para essas crianças a percepção de sua criatividade morrendo aos poucos? Quão assustador pode ser tal universo? Guto e seus amigos começam a ter uma experiência incomum: um sonho coletivo. Todas as noites, ao dormir, sonham que estão no colégio onde estudam, porém abandonado e sombrio, por cujos corredores se espreita um monstro faminto. Guto, um menino de onze anos, muito inventivo, lidera um grupo formado por seu irmão de oito anos, André, que se sente um adulto; Erik, o menino que não pode se sujar; as gêmeas Alana e Aline; e Ana Pirata, a menina que usa tampão nos olhos. O grupo de Guto é rival ao de Tiemi, a menina que é melhor em tudo e Ranho, o aluno repetente, de 14 anos e dois metros de altura. Essas crianças transitam por estes dois mundos: o dia-a-dia competitivo da escola e o assustador mundo noturno. Sempre que tomam a droga, ao dormir, as crianças encontram-se no mundo sombrio do sonho, onde precisam lutar para manter-se a salvo das garras do monstro. Quando capturada no universo noturno, a criança some no mundo real como se nunca tivesse existido. Somente aqueles que estão no sonho é que se lembram dela. Guto resiste à responsabilidade de liderar os amigos nesta aventura, porém, depois que seu irmão é pego, ele tem que arriscar-se entre os dois universos na tentativa de resgatá-lo antes que ele deixe de vez de existir. Na luta para salvar o irmão, Guto terá que enfrentar seu maior e inevitável medo: amadurecer.

SOBRE O AUTOR:

Celso Eduardo Leite Vecchi

Formado no curso Superior do Audiovisual da Universidade de São Paulo, com ênfase em roteiro e produção. Trabalhou como assistente de produção executiva nas produtoras O2 Filmes e Plano Geral. Atualmente trabalha como roteirista no Instituto de Mídias Digitais da USP e está escrevendo o segundo longa metragem para Carlos Nader pela produtora Já Filmes. Está finalizando seu primeiro curta-metragem, Coisa Frágeis, vencedor do edital da Prefeitura de São Paulo em 2012 onde assina direção, roteiro e produção executiva.

TIRO AO ALVO | Vitor Brandt Figueiredo
São Paulo – SP | Drama | Policial | Coautores: Denis Nielsen Patané e Guilherme Carvalho Freitas
Um ex-policial com um passado criminoso se torna um herói improvável ao resolver problemas de uma comunidade esquecida de Osasco.

SINOPSE DA SÉRIE:

“Tiro ao Alvo” conta uma história de reinvenção pessoal sob o viés dúbio de Álvaro Moraes, um ex-policial que passou anos preso após ter se envolvido com a criminalidade em sua cidade natal, no Mato Grosso. A série começa mostrando o momento de sua prisão e corta para uma elipse, anos mais tarde, com sua saída da penitenciária e consequente vinda para a região metropolitana de São Paulo, em Osasco, seguindo um dos únicos elos familiares que lhe ainda restam, a fim de assumir um trabalho honesto no bar de um tio – Seu Moraes. Porém, o que começou como uma fuga do passado, através da imersão em uma nova comunidade, acaba se transformando em uma reinvenção pessoal para o protagonista, a partir do momento em que ele se vê envolvido – contra sua vontade, a princípio – nas questões ilegais do tio com agiotas da região. Álvaro, que sempre contou mais com o faro e a malandragem para manipular as pessoas, em oposição à força física, se encontra de repente imerso em uma comunidade onde o crime é o que dita as regras, e a polícia passa desapercebida. Portanto sua atuação, em favor de seu tio, contra o agiotismo da região vai levantar uma bandeira para si que, ao mesmo tempo, irá atrair os moradores necessitados procurando novos favores, e os criminosos reinantes, procurando culpados pela nova ordem. Sua malandragem na manipulação de pessoas, e sua habilidade natural de transitar entre o crime e a honestidade farão de Álvaro ao mesmo tempo herói e alvo dentro da comunidade em que se encontra.

SOBRE O AUTOR:

Vitor Brandt Figueiredo

Roteirista de séries de TV como Historietas Assombradas para Crianças Mal-Criadas (Cartoon Network), Contos de Edgar (Fox) e Vida de Estagiário (TV Brasil/Warner Channel).

VELHOS LOBOS | Luís Henrique Melhado Barbosa
São Paulo – SP | Comédia | Drama
“Velhos Lobos” é a história de quatro setentões que, cansados da aposentadoria, decidem retomar o The Wolves, banda de rock dos anos 60, após a morte de seu antigo baterista.

SINOPSE DA SÉRIE:

Artrite, Viagra e Rock'n'Roll. “Velhos Lobos” é uma série de comédia com episódios de 30 minutos que conta a história de quatro homens à beira dos setenta anos que decidem retomar o The Wolves, banda de rock obscura dos anos 60, após a morte de seu ex-baterista. Cansados do marasmo da velhice e de serem tratados como incapazes, Alex Dias, Wolfgang Rocha e os irmãos Renato e Rafael Lobo reerguerão a banda que criou uma canção de grande sucesso na sua época, mas fracassou com brigas internas e um disco conceitual e psicodélico que estava à frente de seu tempo. A série mostrará os desafios dos quatro amigos em resgatar o protagonismo de suas próprias vidas e voltar aos holofotes numa época em que o mundo, a música e seus corpos já não são mais os mesmos. Nessa jornada, acompanharemos a rivalidade infantil dos irmãos Lobo pela liderança da banda, as loucuras do velho hippie Wolfie Rocha e os conflitos de Alex Dias com seu filho careta, que acha que o pai já deveria ter se aposentado há tempos. “Velhos Lobos” é uma comédia sobre o fim. E o recomeço.

SOBRE O AUTOR:

Luís Henrique Melhado Barbosa

Formado em Jornalismo pela ECA-USP, em Roteiro Cinematográfico pela Universidade Anhembi Morumbi e pós-graduando em Roteiro para Cinema e TV na FAAP. Escreveu para o jornal Folha de S. Paulo, portal iG e agência Reuters. Trabalhou nos seriados “9mm: São Paulo” (Fox) e “Julie & Os Fantasmas” (TV Bandeirantes). Atualmente é roteirista do Centro de Audiovisual de São Bernardo.

VORAGEM | Jhésus Lula
Campo Grande – PB | Drama | Terror | Coautores: Fabiano Raposo Costa e Ramon Porto Mota
Policial é enviado a uma cidade do sertão da Paraíba para resolver um caso atípico: o sobrinho do governador do estado desapareceu e os prováveis envolvidos acreditam que foi o diabo quem o levou.

SINOPSE DA SÉRIE:

Em ano eleitoral, numa cidade do sertão da Paraíba polarizada entre o misticismo religioso e o fundamentalismo político, o sobrinho do governador do estado desaparece depois de, supostamente, cair em um poço desativado. Um policial da capital é enviado para resolver o caso, mas os jogos de interesse, a postura ambígua dos envolvidos e a crença local de que o próprio diabo passeia pela cidade – utilizando o poço como porta de entrada e saída – transformam a investigação em um emaranhado de informações desencontradas, ocorrências desconexas e intolerância. A situação se torna ainda mais complexa na medida em que os dias passam e a investigação avança. O poço fica situado na fazenda dos Sacramento – família da qual o governador faz parte e que, segundo dizem, tem um pacto com o diabo. Além disso, o próprio avô do menino – única testemunha e dono da fazenda – jura que viu o demônio levar o garoto para o fundo do poço, transformando-se, automaticamente, em suspeito. Ao governador, não interessa apenas que se resolva o caso, mas que o policial dê um jeito de plantar provas fortes o suficiente para que a culpa caia em outrem. São interesses completamente opostos ao do prefeito da cidade – membro de uma família rival –, que quer utilizar o caso como forma de enterrar politicamente os Sacramento e conseguir a reeleição. O policial, perdido em um jogo de interesses, vê a investigação ganhar contornos de horror quando outros acontecimentos – o aparecimento de corpos de mulheres nos limites da cidade e a descoberta de ruínas de uma igreja antiga – amplificam o clima de medo e superstição da maioria dos habitantes. Seu envolvimento no caso bastará para que ele entenda que, de fato, certos rituais – políticos ou não – são necessários para apaziguar tanto os humanos quanto as estranhas forças diabólicas que, aparentemente, também comandam, ao seu modo, o local.

SOBRE O AUTOR:

Jhésus Lula

Formado em Arte e mídia pela UFCG (Universidade Federal da Paraíba), trabalha no audiovisual desde 2009 e participou da feitura de vários curtas locais, seja como assistente de direção ("Depois da curva", Helton Paulino, 2009) ou diretor de fotografia ("O hóspede", Ramon Porto Mota/Anacã Agra, 2011; "Mais denso que sangue", 2011, Ian Abé; "Cova aberta", 2013, Ian Abé). No que diz respeito ao trabalho com roteiros, foi co-roteirista de "Ato institucional" (Helton Paulino, 2012) e "O desejo do morto" (Ramon Porto Mota, 2013 – em processo de pós-produção); também escreveu o roteiro de "Amor Fati", HQ de Chateaubriand Almeida, em finalização.

Finalistas Não Ficção

1º DIA | Bruno Souto
São Paulo – SP | Reality_show_doc | Coautor: Patricia Carvalho Leme
Uma série que mostra que o 1º dia é sempre um dia especial.

SINOPSE DA SÉRIE:

O 1º Dia é um acontecimento marcante na vida de qualquer um. Mas na vida de algumas pessoas, ele pode ser mais marcante ainda. A série revela como é o 1º Dia de Liberdade de um preso ou o 1º Dia de um soldado do Bope. Vamos mostrar que o 1º Dia é sempre um dia delicado, difícil, inédito, especial, tenso, assustador e memorável. Sem dúvida, 1º Dia vai tornar o dia de milhares de telespectadores mais interessante.

SOBRE O AUTOR:

Bruno Souto

Redator publicitário. Trabalha na agência Y&R. Já trabalhou nas principais agências do Brasil. No último ano, começou a desenvolver projetos para TV e cinema. Assina a autoria de um programa de ficção em negociação com o Canal Multishow.

A MARCA DA VAIDADE | Claudia Mattos
Rio de Janeiro – RJ | Variedade
Desde que o mundo é mundo, o ser humano sempre esteve disposto a fazer sacrifícios em nome da vaidade, porque as marcas da vaidade são também marcas da sedução e do poder.

SINOPSE DA SÉRIE:

A Marca da Vaidade mostra que, desde as civilizações mais antigas, o ser humano esteve disposto a fazer sacrifícios em nome na vaidade. Se hoje se submete à lipoaspiração, durante séculos usou espartilho. Mais do que para satisfazer a si mesmo, o ser humano quer ser belo para levar vantagem na conquista do outro. As marcas da vaidade são também marcas da sedução e do poder. Na série, o corpo humano é recortado em vários segmentos (olhos, boca, cabelo, seios, etc) sendo cada um o tema de um único dos 13 episódios da primeira temporada. Eles vão mostrar o que foi considerado belo ao longo dos tempos, por que um determinado padrão prevaleceu, os sacrifícios feitos para atingir o padrão de beleza almejado de cada época, os padrões e técnicas de embelezamento e tratamento contemporâneos. Para retratar essa viagem ao longo do tempo, serão usadas as representações da figura humana em grandes obras da História da Arte – especialmente pinturas e esculturas – que atravessaram os séculos até os nossos dias. Esta opção diferencia a série dos programas atuais que têm a beleza como tema, porque situa a vaidade dentro de um universo estético amplo e culto, além de abordá-la dentro de seu contexto histórico. Outro diferencial da série é abordar o tema vaidade, sem apologias ou críticas, apenas com ironia e humor, e, por isso mesmo, com ampla possibilidade de despertar o interesse daqueles que condenam ou defendem o hedonismo dos nossos dias.

SOBRE O AUTOR:

Claudia Mattos

Formação em jornalismo, com 15 anos de experiência nos principais jornais do país – O Globo, Folha de SP, Estado de SP e Jornal do Brasil. Mestrado e doutorado em Comunicação e Cultura pela UFRJ, onde defendeu a tese “Um filme de... Argumentos e Estratégias para uma Política do Roteirista Autor”. Em 2006, troca o jornalismo pelo audiovisual, e vem atuando como roteirista e produtora. Cinema: Escreveu e coproduziu o longa de ficção “180 Graus”, vencedor dos prêmios de melhor filme pelo júri popular do festival de Gramado (2010), melhor roteiro do Festival Inffinito de Miami (2011) e melhor roteiro da Associação dos Correspondentes da Imprensa Estrangeira – ACIE (2012). O filme participou de festivais no Brasil e no exterior, foi lançado comercialmente em 2011 e vendido para a TV aberta (Globo) e fechada (Canal Brasil). Escreveu e coproduziu o curta ficção “O Papel e o Mar” (2010). Tanto o curta quanto o longa foram contemplados em editais públicos de produção, respectivamente Riofilme e MinC (Baixo Orçamento). Outros projetos de autoria foram contemplados em concursos de desenvolvimento: “O Rio de Janeiro de Ho Chi Minh” recebeu o prêmio da Riofilme (2011) e está em fase de captação e “Meu Amigo Saci” foi premiado no concurso para roteiristas profissionais do MinC (2012). TV: Atuou como cocriadora e roteirista das duas temporadas da série “Heróis de Todo Mundo”, exibida pelo Futura e que teve sua terceira temporada encomendada para 2013. Escreveu, coproduziu e dirigiu o “Making of – 180 Graus”, exibido pelo Canal Brasil.

AMOR AOS 20 ANOS | José Agripino da Silva Neto
São Paulo – SP | Documentário
Série documental de 9 episódios que vai investigar o universo afetivo e sexual do jovem brasileiro de 18 a 24 anos.

SINOPSE DA SÉRIE:

O que pensam os jovens brasileiro sobre casamento, sexo, casamento igualitário, poliamor, relacionamento aberto, swing, machismo e sobre outras questões relacionadas a expressão da afetividade e sexualidade?

Vivemos um momento que existe uma juventude politizada que discute muitos assuntos na internet de forma muito rápida. E toda essa discussão acaba criando movimentos sociais que estamos começando a perceber. E um dos assuntos que é muito conversado e debatido por eles são as questões que envolvem expressão da afetividade e sexualidade. Dentro desse contexto surgem algumas suspeitas e perguntas: estamos passando por mudanças nessa área? Se estamos, essas mudanças são provocadas devido a proliferação de informação e de discussão on-line? Se essas mudanças estão acontecendo, Elas são pontuais ou atingem a maioria dos jovens brasileiros? Amor aos 20 anos é um projeto de série que pretende investigar como o jovem brasileiro pensa sobre diversos temas relacionados a afetividade e sexualidade. Através de entrevistas e aproximação com jovens entre 18 a 25 anos de todo o Brasil, o projeto de documentário pretende investigar as questões apresentadas e compor um panorama e u retrato de uma juventude em transformação.

SOBRE O AUTOR:

José Agripino da Silva Neto

Realizador, roteirista e produtor audiovisual. No momento, estudA transmídia, marketing social aplicado ao cinema e à televisão e consumo de mídia pelo público jovem. Faz parte do Coletivo Lumika e da diretoria da ABD-SP.

Filmografia: Leve-me Pra Sair (2012) - Diretor/ Roteirista - Documentário de curta-metragem com 20 min de duração. Primeira produção do Coletivo Lumika. O curta até o momento foi exibido em 5 festivais de cinema e ganhou os prêmios de melhor curta-metragem, escolha do público do Close - Festival Nacional de Cinema da Diversidade Sexual e Melhor Curta Nacional escolha do público do Festival Mix Brasil da Cultura da Diversidade Sexual (2012). Até o momento o filme foi visto por mais de 122 mil pessoas no Youtube. Poliamor - (2010) - Diretor/ Roteirista - documentário de curta-metragem com duração de 15 min exibido em 21 festivais de cinema. Ganhador de melhor filme e melhor roteiro nos festivais Curta Atibaia e Festival Close de Cinema da Diversidade Sexual. O curta até o momento foi visto por mais de 225 mil pessoas no Vimeo e Youtube. Leve-me Pra Sair Webserie - Roteirista. Segundo projeto desenvolvido pelo Coletivo Lumika. Em fase de desenvolvimento. Webserie ficcional direcionada para o público jovem gay. http://lumika.art.br/ Os Heróis do Brasil - Produtor Transmídia- Projeto crossmedia que pretende contar a história de eventos importantes da história do Brasil. Primeira fase do projeto contou a história da Guerra de Independência da Bahia.

CURTA EXPOSIÇÃO | Rafael Câmara
São Paulo – SP | Documentário
Curta Exposição é uma série que explora fotografias brasileiras consagradas através de seus autores, personagens e público, revelando anos depois a força de uma imagem icônica.

SINOPSE DA SÉRIE:

A série Curta Exposição parte de fotografias brasileiras icônicas para abordar tudo o que possa ser pertinente nesta imagem, buscando em seus autores, personagens ou no próprio público que a reconhece, as razões de sua permanência em nossa memória. Nesta investigação de temas que vão de violência a esporte serão reveladas, a cada episódio, características de uma única foto que resumam um fato, uma notícia, um período político e até uma época, assim como os riscos aos quais o fotógrafo se expôs no momento do clique, as consequências de sua publicação e o porquê daquela imagem ter mudado os rumos da história.

SOBRE O AUTOR:

Rafael Câmara

Diretor e roteirista formado em jornalismo. Um jornalista que sempre quis ser diretor e roteirista. Antes disso acontecer trabalhou com reportagem e edição de conteúdo, ilustração, storyboard, design gráfico e desenho. Atua em montagem e sempre procurou escrever roteiros para dar vazão às vontades criativas. Há 4 anos com a oportunidade de atuar como diretor passou a escrever com mais constância. São conteúdos autorais, institucionais, de publicidade, curta-metragem e documentários - quatro deles exibidos no canal GNT. Hoje o que mais lhe entusiasma são as novas possibilidades de exercer a criação no mercado audiovisual brasileiro.

FATIANDO HITCHCOCK | Vilma Gonçalves Martins Schiante
São Paulo – SP | Variedade | Coautor: Cristine Maccarone
Provar a força dramática dos alimentos no cinema de Hitchcock, comentando um filme por episódio, enquanto uma receita, inspirada na trama, é preparada e servida ao final do programa.

SINOPSE DA SÉRIE:

O universo gastronômico é riquíssimo na obra cinematográfica de Alfred Hitchcock. A faca de cozinha, que mata a mocinha em “Psicose” na cena clássica do chuveiro, virou marca registrada do gênero suspense e, quando visualizada ou citada, a sonoplastia vem com toda sua força dramática. Em “Festim Diabólico”, os assassinos servem o jantar aos familiares do morto sobre o caixão com o corpo. No filme “Os pássaros”, as pessoas viram o próprio banquete. Pesquisar e analisar a presença dos alimentos e utensílios de cozinha nos 52 filmes produzidos pelo diretor foi a tese de mestrado de Cristine Maccarone, diretora de arte e chef de cozinha, trabalho que recebeu nota máxima. A ideia é adaptar essa pesquisa para a série “Fatiando Hitchcock”, em que será comentado um filme por programa, com a preparação de uma receita inspirada na trama. Considerando toda a obra do diretor, teríamos fôlego para várias temporadas, com receitas culinárias especiais preparadas pela própria Cristine Maccarone. Para degustar as facetas do diretor e fazer a abordagem cinematográfica, teremos um apresentador, que pode ser um ator ou crítico de cinema familiarizado com a câmera. Teremos também um convidado especial, que receberá do programa um presente hitchcockiano: uma faca de inox, com o logotipo da série, se possível personalizada com o nome do convidado e a data, em um estojo fino e exclusivo. Ao final do programa, todos irão apreciar a receita de um drinque, um prato ou sobremesa. Ainda podemos associar o programa a um site (www.fatiandohitchcook.com.br) em que o espectador terá a oportunidade de conferir os comentários, anotar a receita e, se possível, até assistir trechos dos filmes uma semana antes do episódio ir ao ar. Vamos degustar Hitchcock em fatias, devagarzinho, apreciando um filme por semana, e, para ficar ainda mais gostoso, acompanhado de uma deliciosa receita.

SOBRE O AUTOR:

Vilma Gonçalves Martins Schiante

Nunca me senti tão jovem, mesmo aos 51 anos. Já fiz um pouco de tudo dentro do universo do texto. Redatora em jornais e agências de propaganda, onde tive a chance de criar e produzir vários filmes de 30”. Speech de merchandising para emissoras de TV. Roteiros de curta. Comunicação digital. Peça de teatro. Prosa e poesia. Vivi muitas fases e quero novos desafios. Já fui até ao programa Mais Você, que transformou meu vestido de formatura de ginásio, de quando eu tinha 14 anos, em um vintage que usei na minha festa de cinquentinha (na verdade, quando me inscrevi no Fashion Express, criei uma pauta diferente). Fiz três faculdades na USP (Propaganda, Letras e Jornalismo) voltadas para a redação. Uma pós em Psicobiofísica. Minha primeira experiência como roteirista foi em 1999 com o programa infantil “A Turma do Haroldo”, que tinha uma temática ecológica e educacional. Não deu muito certo na TV, mas peguei gosto. De lá para cá, participei de vários workshops e oficinas de roteiro, cinema e direção. Ganhei seis concursos de roteiro. Tenho dois produzidos: “Espaguete à brasileira”, vencedor do concurso do Instituto Criar em 2007, e “200g”, vencedor do Criecurta em 2005. Tudo isso em função do que mais gosto de fazer: escrever. E com muito pique. Porque é assim que me sinto. Jovem e, ao mesmo tempo, com uma maturidade generosa, inspiradora, deliciosa. Agora quero redirecionar meu foco para o entretenimento e escrever as novas páginas da minha vida com mais luz, câmera e ação.

LINHA DE FUNDO | Diego Gonzalez
Rio de Janeiro – RJ | Documentário | Coautores: Guilherme Arcanjo Peres e Guilherme Lucas Dias Pina
LINHA DE FUNDO busca explicar a paixão pelo futebol através da visão de torcedores fanáticos de clubes tradicionais do Brasil, mas com pouca expressão no cenário esportivo nacional.

SINOPSE DA SÉRIE:

LINHA DE FUNDO conta, sob a perspectiva de suas torcidas, a história de clubes do futebol brasileiro que não possuem grande destaque no cenário esportivo nacional. O objeto central da série é desvendar a paixão de milhões de torcedores por todo o Brasil que têm como time do coração equipes de menor expressão. São clubes, jogadores, contos, histórias, contendas, rivalidades e tradições de grande importância regional. As seis equipes retratadas são tradicionais e possuem uma torcida fiel e apaixonada. Em cada um dos seis episódios falaremos de um clube diferente: Bangu-RJ, CRB-AL, Juventus-SP, Fluminense-BA, Brasil-RS e Remo-PA. São seis times que se enquadram perfeitamente nesse cenário. Juntos esses clubes somam 74 títulos estaduais, um título de segunda e outro de terceira divisão, além de um vice-campeonato brasileiro. Os times foram escolhidos numa tentativa de traçar um panorama do futebol por todo o território nacional, compreendendo um amplo espaço geográfico brasileiro. A série também dará ênfase à rivalidade entre potências futebolísticas regionais, como o duelo entre América-RJ e Bangu-RJ - o chamado Clássico Bisavô - ou o Re-Pa, confronto entre o Remo e o Paysandu, em Belém (PA). O personagem principal da serie é o torcedor. Ele contará a história de seu clube através de sua paixão na arquibancada. Como as equipes retratadas têm pouca expressão esportiva, é importante ressaltar a ligação do torcedor com esses times. Por nenhuma das agremiações ser uma potência futebolística nacional, é a paixão que justifica a fidelidade do torcedor. Guiados por ela podemos, enfim, decifrar o que há de mais genuíno na árdua tarefa de torcer: amar o clube, apesar de tudo.

SOBRE O AUTOR:

Diego Gonzalez

Graduado em Cinema pela UFF e pós-graduado em Fotografia pela UCAM. Estudou no Met Film School e na London Academy of Radio, Film & TV, em Londres, onde fez cursos de roteiro e montagem. Trabalha com assistência de direção e fotografia. Sua atividade principal é na área de edição e coordenação de pós-produção. Montou programas para televisão como "Conversa Fiada" para o Canal Brasil, "Marcados para Matar" para o grupo Turner, além de diversos curtas-metragens. Montou, em parceria com João Felipe Freitas, o documentário "De Volta", de Rafael Figueiredo, vencedor do pitching do Canal Futura. Coordenou a pós-produção dos programas "Viver Com Fé", da GNT, "O Som do Vinil", do Canal Brasil, dos DVD's "Recanto", de Gal Costa e "Chico Buarque Na Carreira", dos clipes musicais "Depois", de Marisa Monte e "Bangalô", de Djavan, além do longa "Construção" de Carolina Sá. É diretor do canal de internet Barata Fumante, no qual também assina edição e finalização.

LOVE SONGS | João Roberto Cintra
Recife – PE | Documentário
Um programa de rádio toca músicas românticas antigas, internacionais, e divulga números de pessoas solitárias. Por que encontrar alguém em um programa de rádio? O amor analógico em tempos digitais.

SINOPSE DA SÉRIE:

“Love Songs” é um programa de rádio para os apaixonados. Todos os dias músicas românticas, internacionais e antigas, na maioria das vezes, são tocadas, algumas traduzidas, alternadas com mensagens apaixonadas lidas pelo locutor. Os ouvintes participam: alguns pedem músicas, gostam das traduções, gravam em fitas as melhores; outros vão além e deixam recados para possíveis relacionamentos, divulgando os contatos a fim de encontrar alguém para se relacionar. Esta série de documentários se propõe a encontrar essas pessoas: quem são os ouvintes do programa? O que gostam nas músicas? O que buscam em um relacionamento? Qual sua ideia de amor? Por que buscar em um programa de rádio? Uma série sobre pessoas e sua construção da ideia de amor e a busca por companhia à moda antiga em um mundo moderno, no qual muitos não mais nele acreditam.

SOBRE O AUTOR:

João Roberto Cintra

Formado em Letras e estudante de Cinema. Atua profissionalmente como professor, dando aula de redação. Ministrou uma disciplina de roteiro para curta metragem, animação, HQ e videoaulas. Trabalhou com curtas metragens universitários, produzindo, roteirizando e dirigindo. Alguns foram selecionados para festivais, locais e em outros estados. Teve um roteiro de documentário selecionado para a oficina Miradocs, focada no pitching, na qual teve a oportunidade de aperfeiçoar a ideia. O mesmo roteiro ficou como suplente no concurso Rucker Vieira da Fundação Joaquim Nabuco, de Recife, no ano de 2012. Quer se especializar em escrita de roteiros, atividade que mais gosta na área audiovisual. Atualmente prepara um projeto para mestrado com foco na construção da narrativa em alguns filmes pernambucanos.

MISTÉRIOS DA AMAZÔNIA ANTIGA | Tatiana Toffoli
São Paulo – SP | Documental | Coautores: Eduardo Goés Neves e Felipe Milanez Pereira
Por que não se construíram pirâmides na Amazônia? Conheça as recentes descobertas arqueológicas que têm revolucionado o entendimento da história pré-colombiana do continente.

SINOPSE DA SÉRIE:

O arqueólogo Eduardo Neves e o jornalista Felipe Milanez percorrerão diferentes partes da Floresta Amazônica e áreas adjacentes - ignorando as atuais fronteiras políticas entre nações - para mostrar, através das cerâmicas sofisticadas de Marajó e Santarém, dos aterros geométricos do Acre, Rondônia e Bolívia, dos sítios de terra preta da Amazônia central, da iconografia dos templos andinos e de demais vestígios arqueológicos, as complexas redes sociais, comerciais e culturais que conectavam a Amazônia e seus povos antes do descobrimento. Através de expedições para diferentes sítios arqueológicos no Brasil, Peru, Colômbia, Equador e Guiana, muitas vezes locais de difícil acesso, Felipe e Eduardo mostrarão que é falsa a ideia de que a Amazônia era uma região desocupada no passado, mas que, ao contrário, ela foi um importante centro de inovação cultural na história de ocupação da América do Sul. Ao percorrer este caminho, a série mostrará que, se não construíram templos ou palácios de pedra – até porque não havia rocha disponível como matéria-prima em muitos locais –, os povos antigos da Amazônia aperfeiçoaram um conhecimento ainda mais complexo, que a sociedade brasileira contemporânea reluta em aprender: o de como ocupar e viver na floresta, de maneira sustentável, mesmo com populações densas. A série será dividida em seis programas que vão mostrar arqueólogos em ação, realizando pesquisas de ponta e trazendo novas descobertas que permitem estabelecer conexões entre as antigas sociedades amazônicas; entre as sociedades amazônicas e as andinas; entre as sociedades indígenas antigas atuais, bem como a elaboração de hipóteses sobre algumas sociedades que deixaram marcas intrigantes na terra, e desapareceram, sem que quase nada se saiba hoje em dia.

SOBRE O AUTOR:

Tatiana Toffoli

Nasceu em Porto Alegre em 1969, foi atriz de teatro e televisão. Em 1993 formou-se em jornalismo e passou a atuar na área audiovisual como diretora, roteirista, montadora e produtora de documentários para televisão e cinema. Trabalhou na MTV entre 1994 e 1998, onde foi criadora e diretora da primeira temporada da série “Mochilão MTV” e apresentadora do primeiro Rock e Gol. Também dirigiu a série “Expedição Caiçara”, para a produtora Canal Azul e TV Cultura. A série foi finalista do Grande Prêmio Cinema Brasil na categoria Produção Cultural de TV. Entre seus trabalhos de destaque como diretora está o documentário “Chapa”, selecionado para diversos festivais nacionais e internacionais (México, Espanha, França, Japão, etc.), o filme recebeu o Prêmio da Audiência na versão on-line do Festival CON-CAN em Tokyo, Japão, em 2010. O documentário Louceiras, realizado pelo SESC recebeu Menção Honrosa no 14º FICA - Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental em 2013. Além de montar e roteirizar os filmes que dirige, foi montadora e roteirista de “Dona Helena”, sobre a violeira Helena Meirelles, que participou de festivais nacionais e internacionais e ganhou Melhor Filme no Festival Tudo Sobre Mulheres. Dona Helena foi veiculado na TV Cultura e no Canal GNT. Também montou o documentário e os clipes do DVD musical “Tribalistas”, ganhador do Prêmio Multishow de Melhor DVD em 2003. Tatiana atualmente mora em São Paulo, é sócia da produtora Elástica Filmes que já produziu para TV Cultura, SESC e SESCTV e pretende continuar produzindo para televisão.

NA CASA DA VÓ | Natália Koren
Porto Alegre – RS | Reality_show_doc | Coautor: Vinícius da Silva Fontoura
“Na Casa da Vó” é um programa de culinária que vai muito além do ensino de técnicas e receitas prontas: busca esse gostinho especial direto na casa de várias avós espalhadas pelo Brasil.

SINOPSE DA SÉRIE:

Não importa o lugar do mundo ou a cultura, algumas coisas são consenso e, dentre todas essas coisas, uma é ainda mais universal: ninguém faz um feijão mais gostoso do que o da minha vó. Outros dirão que é o bolo de fubá da sua vó, ou o mocotó, ou o peixe ao molho escabeche, e, podemos ter certeza, todos estariam certos. Não há comida no mundo melhor do que aquela que as matriarcas fazem com todo amor e carinho, especialmente para os seus netinhos e netinhas. Pensando nisso, surge “Na Casa da Vó”, um programa de culinária que vai muito além do ensino de técnicas e receitas prontas: busca esse gostinho especial direto na casa de várias avós espalhadas pelo Brasil. Aproveitando a diversidade cultural e culinária do nosso país, a ideia é apresentar os melhores sabores na perspectiva das cozinheiras mais dedicadas que se pode encontrar em frente a um fogão. Gravado diretamente do conforto da cozinha das vós, o programa apresenta a melhor receita que essas senhoras podem produzir – isso na opinião dos seus consumidores mais apaixonados, os netos. Serão trazidas das nonnas italianas às babas russas, dos temperos alemães às pimentas espanholas; tudo sempre acompanhado das histórias de vida dessas chefs por excelência, o que construirá o pano de fundo e parte da narrativa de cada episódio. Queremos saber de onde vem essa vó, de onde vem essa receita e todos os segredos desses pratos tão especiais, desvendados e documentados no lugar onde essas senhoras são as rainhas: sua própria cozinha.

SOBRE O AUTOR:

Natália Koren

Formada em Publicidade e Propaganda pela UFRGS e trabalha na área de audiovisual na parte de finalização de vídeos e animações em motion graphics. Atualmente faz parte da equipe da produtora eFrame, atuando em diversos trabalhos produzidos pela RBS, como as séries Grenal é Grenal e Filé de Borboleta, além de filmes de curta e longa metragem. No início de 2013, co-dirigiu e finalizou o curta-metragem de animação “POMBAS!”, ganhador do concurso Mini Curtas Gaúchos da RBS TV e foi convidada a participar da Mostra Olho Neles, do Animamundi e do Festival Cine Rua 7.

NA TRILHA DA HISTÓRIA | Alessandro Mello
São Paulo – SP | Variedade | Coautor: Fernanda Gimenes Rodrigues
Mostrar fatos curiosos e que definiram a música popular à luz de acontecimentos determinantes da história geral.

SINOPSE DA SÉRIE:

Você já conhece um pouco (ou muito) os fatos históricos mais importantes do planeta, e certamente sabe um pouco (ou muito) a respeito da música que você mais gosta. Mas você não faz ideia do que pode estar acontecendo de fundamental para o futuro da música ao mesmo tempo em que se desenrolam fatos determinantes da história do planeta. Nós pesquisamos, analisamos, conectamos e mostraremos pra você de uma maneira interessante e cheia de conteúdo imagético, sonoro e histórico. A série na trilha da história relaciona as histórias da música e da geopolítica mundial de modo a dar uma nova e, porque não, divertida visão sobre ambos os assuntos. O período compreendido pela primeira temporada começa às vésperas da segunda guerra mundial e se encerra pouco depois do ataque de 11/09/2001. Cada episódio mostrará dois momentos definitivos da história da música que aconteciam enquanto o mundo era alterado por descobertas, eventos e personagens históricos. Para mostrar como os tais momentos musicais impactaram o futuro, cada episódio também ”viaja no tempo”, contextualizando o que é mostrado.

A apresentação é ambientada num cenário com projeções em mapping, técnica que transforma as superfícies do estúdio em um dinâmico display de vídeo. As imagens de arquivo e desenhos gráficos alimentam a narrativa e interagem com os apresentadores.

SOBRE O AUTOR:

Alessandro Mello

Cursou Rádio e Televisão na Universidade de São Paulo entre 1993 e 1997 e, entre 1995 e 2013, passou por vários cargos e funções trabalhando em Televisão, sempre ligado à criação e desenvolvimento de conteúdo para programas de formatos diversos: musicais, de comportamento, documentários e eventos (auditório, shows, transmissões ao vivo). Seu interesse é por conteúdos relacionados à Cultura Pop, História Geral, Literatura, Sociologia, Filosofia, Música, fatos curiosos em geral e, mais que tudo, por contar e mostrar boas histórias.

REALIDADE MISTERIO | Fernanda Gentil de Mello
Rio de Janeiro – RJ | Reality_show_doc | Coautor: Silva e Alessandro Monteiro Abdo
Um reality fiction de mistério, misto de realidade e ficção.

SINOPSE DA SÉRIE:

Participantes de um reality show se tornam personagens de uma história de mistério, são os jogadores do Realidade Mistério. 13 pessoas são envolvidas numa história inventada especialmente para o programa, como se tivessem entrado num filme de Hitchcock, ou no meio de um livro de Agatha Christie. Devem descobrir quem matou, quem roubou, quem desapareceu e por que. Este é um reality de mistério que mistura ficção e realidade, um novo gênero que surge, o Reality fiction. São participantes reais diante de um desafio que surge da ficção. 13 participantes, 13 episódios, 1 mistério a ser desvendado, a cada episódio, pista a pista. Realidade + mistério + jogo. A cada episódio os mesmos participantes diante de uma nova história e ambiente, um novo desafio, até restar apenas um vencedor: o melhor detetive.

SOBRE O AUTOR:

Fernanda Gentil de Mello e Silva

Pesquisadora, editora e escritora. Carioca, graduada em Comunicação Social na ECO/UFRJ, mestra em Antropologia no Museu Nacional/UFRJ e doutoura em Letras na PUC–RIO. Publicou 4 livros de ficção: Língua de Trapos (Topbooks), Barreado (Topbooks), Vertigens (Circuito) e Nós somos uma correspondência (Circuito) _ título selecionado em edital da FUNARTE, 2010. Trabalhou em várias editoras e é sócia da Editora Circuito (www.editoracircuito.com.br). Cursao Pós-doutorado no PACC/UFRJ, sob supervisão da profa. Heloisa Buarque de Holanda e Cristiane Costa, sobre Narrativas Digitais. Há pouco mais de dois anos decidiu que não descansaria até conseguir trabalhar como roteirista, uma vontade antiga que se tornou ideia fixa nos últimos tempos. Nesse período realizou um trabalho de pesquisa de conteúdo para a Conspiração Filmes, colaborou com a Rossana Falcão em roteiro para o Multishow, e escreveu projetos e roteiros.

RITOS | Rachel Ellis
Recife – PE | Documentário
Lideranças religiosas de diferentes doutrinas participam de um estranho jogo sagrado: conviver por uma semana e auxiliar na preparação de uma cerimônia de uma religião que não é a sua.

SINOPSE DA SÉRIE:

Na série de documentários para TV “RITOS”, sete lideranças religiosas de diferentes doutrinas participam de um jogo que consiste em, por uma semana, acompanhar os rituais diários e auxiliar na preparação de uma cerimônia religiosa de uma religião que não é a sua, morando na casa de uma família de outra religião em uma outra região do Brasil. Um sorteio no primeiro episódio possibilitará as mais estranhas combinações de religiões (católico, judeu, Kardecista, muçulmano, evangélico, pajé indígena, pai de santo). Cada um deles pararão num ritual completamente diferente do seu de costume. RITOS é sobre alteridade e diferença a partir de personagens únicos que só partilham algo muito especial em comum, a fé em Deus; cada um à sua maneira.

SOBRE O AUTOR:

Rachel Ellis

Rachel é natural da Inglaterra e se mudou para o Brasil em 2004 para dirigir uma ONG Britânica com sede em Recife que atua na região norte e nordeste do Brasil. Ela também trabalhou para o Programa das Nações Unidas de Desenvolvimento na Tailândia e é Mestre em Ciências Sociais, Planejamento e Participação pela London School of Economics. Com uma grande interesse em trabalhar com ferramentas visuais para discutir ideias em torno da transformação social e dos direitos humanos ela fundou, em 2006, o projeto de fotografia participativa FotoLibras que tem como objetivo promover a visibilidade da comunidade e cultura surda. Sua paixão pelos filme e ampla experiência com gerenciamento de projetos e gestão facilitou a sua transição para produção audiovisual. Rachel atua na DESVIA como produtora, produtora executiva, facilitadora e educadora. Assina como produtora de finalização e distribuição do longa-metragem Um Lugar ao Sol (2009), produziu o longa documentário Doméstica (2012) e o curta A Onda Traz, O Vento Leva (2012) e está produzindo o longa híbrido, Ventos de Agosto e o longa de ficção Valeu Boi. Rachel tem participado de encontros internacionais de produção incluindo o Cinemart - Holanda, Amiens- França, BAL- Agentina e tem acessado importantes fundos nacionais e internacionais para os filmes da DESVIA como o BO/Minc, Ibermedia, Hubert Bals Fund, Cinereach, Funcultura-PE, Edital de co-produção Brasil/Uruguai. Rachel também é co-fundadora da ONG Gema, que desenvolve projetos que utilizam as artes visuais para promover a transformação social.

SALVE-SE QUEM PUDER | Flavio Luis Queiroz
São Paulo – SP | Reality_show_doc
“Salve-se quem puder” é um reality show de confinamento e competição dentro de um cruzeiro de luxo, em que é preciso desenvolver uma série de competências físicas e sociais para não naufragar no fim.

SINOPSE DA SÉRIE:

Um grupo de 20 pessoas embarca num cruzeiro para fazer a viagem de suas vidas. Mas eles não terão moleza não. Enquanto estiverem a bordo, vão competir em equipes, desempenhando as mais variadas funções dos tripulantes do navio, em busca do voto e da simpatia de um grupo de passageiros. A cada tarefa, um treinamento – e diversas competências serão solicitadas. Se pelo menos a Supervisora não fosse tão durona, o trabalho seria menos estressante. E os passageiros também são exigentes, incluindo até os conhecidos de cada participante da competição, que podem ser um refúgio ou mesmo dar dor de cabeça. O trabalho em equipe e as estratégias de grupo nunca foram tão importantes. Eles vão ter que sobreviver uns aos outros. Porque depois do voto dos passageiros e de uma reunião de apontamento de culpados, é o voto interno da equipe perdedora que elimina um competidor. O colega que ajuda hoje pode ser o traidor que tira o “amigo” do jogo amanhã.

Essa é uma viagem cheia de reviravoltas. E vai ser preciso mais do que um colete salva vidas para não naufragar. Quando os participantes acham que já dominaram o jogo e tem uma estratégia vitoriosa para se garantir na grande final, a dinâmica vira de ponta cabeça – e é preciso se adaptar as intempéries do mar aberto. É uma competição emocionante, para quem gosta de adrenalina. E é uma história envolvente para quem gosta de observar e discutir as relações humanas experimentadas numa realidade completamente diferente do cotidiano. Os bastidores de um cruzeiro de luxo serão revelados, enquanto a viagem segue visitando cenários esculpidos pela natureza. Serão 15 episódios de 1 hora de duração, sendo que os dois primeiros (da apresentação até a primeira eliminação) e os dois últimos (da grande final até a última reunião entre os participantes) serão duplos e especiais. O público vai torcer, opinar – embarcar numa viagem de tirar o fôlego, sem enjoar, e sem sair da poltrona. É um leque variado de emoções e sensações. Salve-se quem puder!

SOBRE O AUTOR:

Flavio Luis Queiroz

Participou do Workshop de Dramaturgia na Rede Globo e foi colaborador na novela "Dance Dance Dance" na Bandeirantes, além de escrever os programas "É o Amor" e "Tá na Mão 2", também para a Bandeirantes, "Elas" para o Discovery Home & Health, "O Grande Perdedor" e "Topa ou Não Topa" no SBT, "Tamanho Família" na TV Rá Tim Bum, entre outros. Fez diversos cursos de roteiro na Universidade da Califórnia. Atuou na pauta de diversos programas, como "Programa Livre" e "De Frente com Gabi", ambos no SBT. E dirigiu o "Bom Dia & Dia", no SBT, e o "É Verdade ou é Mentira?", na Bandeirantes. Há cinco anos, é editor-chefe do reality show "A Fazenda", na Rede Record.

TERAPIA ANIMAL | Maria Fernanda Ferraz de Camargo
São Paulo – SP | Documentário
Acompanha-se um animal e um paciente durante o tratamento e através de entrevistas tem-se um panorama da terapia assistida por animais no país.

SINOPSE DA SÉRIE:

A série acompanha, a cada capítulo, um paciente e um animal que passam pela terapia assistida por animais. Momentos documentais são intercalados com entrevistas com pacientes, especialistas médicos e em direitos dos animais que discutem sobre esse tipo de tratamento e as consequências tanto para os humanos quanto para os animais.

SOBRE O AUTOR:

Maria Fernanda Ferraz de Camargo

Formada em Audiovisual na ECA-USP com especializações em produção, edição, fotografia e teoria. Trabalhou em diversos curtas durante e depois da faculdade em diversas funções: assistente de direção e produção, assistente de câmera e elétrica, produtora, diretora de arte. O curta "A História de Ângelo", que produziu e editou em 2009, dirigido por Diogo Cronemberger, foi exibido em vários festivais e destaque do Festival Internacional de Curtas de São Paulo. Selecionada para uma bolsa da FAPESP durante a faculdade com uma pesquisa orientada pelo prof. Ismail Xavier sobre documentários brasileiros. Trabalhou como assistente de Amir Labaki no Festival É Tudo Verdade em 2009, em pequenas produtoras como assistente de produção e finalização e editora. Fez um pequeno curta documental que foi selecionado em 2010 para o projeto Life in a Day de Ridley Scott. Em 2011, editou 8 episódios da série Street Art para o canal Rush e trabalhou no curta documental "A Girl's Day" para o projeto Why Poverty da Steps International. Atualmente realiza pesquisa para cinema e publicidade e atua como editora, principalmente na produtora O2 Filmes. O seu principal interesse é a realização e veiculação de documentários.

TRAVESSIAS - BRASIL | Daniel Alemar
São Paulo – SP | Reality_show_doc
Equipe de três aventureiros amadores registra suas aventuras na realização de trekkings de longa distância por diferentes regiões brasileiras.

SINOPSE DA SÉRIE:

Três aventureiros amadores percorrem trilhas em meio à exuberantes paisagens naturais brasileiras, em regiões de difícil acesso. A cada episódio, um desafio: completar determinado trajeto entre duas localidades em determinado prazo, a exigir regularidade e não velocidade, mas sempre incluindo pernoites. O trio deve cumprir a travessia a pé, de forma autônoma e, quando possível, autoguiada. E, sobretudo, registrar toda a aventura em vídeo. Já no local de partida, os trilheiros apresentam a travessia a ser realizada no episódio e o planejamento específico necessário àquele roteiro, incluindo os equipamentos e suprimentos especiais de que dispõem. Ao longo do trajeto, registram relatos e impressões pessoais sobre os desafios enfrentados, apresentam pontos históricos e geográficos relevantes e conversam com outros trilheiros, eventuais guias e moradores locais. As noites no acampamento são sempre propícias às análises e reflexões. Os trilheiros podem registrar desde o sofrimento com as bolhas no pé, até a delícia de uma mísera refeição à base de miojo. Entre os prazeres e agruras do trajeto, percorrem um caminho de volta ao básico, à essência. Ao se lançarem em uma árdua travessia entre vales e montanhas, campos e matas, rios e praias, acabam realizando uma travessia interior, ao encontro de si mesmos. Eles devem superar as diferenças para formar uma relação de confiança mútua, e assim atingir um destino comum. A temporada culmina em uma longa e difícil travessia, a qual exigirá o máximo dos três participantes.

SOBRE O AUTOR:

Daniel Alemar

Formado em Imagem e Som pela Universidade Federal de São Carlos. Ao longo da graduação realizou diversos projetos audiovisuais, inclusive o roteiro e direção do curta-metragem de conclusão de curso "Amor em Óleo". Após a faculdade trabalhou em produções independentes, tais como o longa-metragem "A Via Láctea", de Lina Chamie e em seguida passou a atuar no departamento de Rádio e Televisão da Almap BBDO, uma das maiores agências de publicidade do Brasil. Paralelamente, em 2010 realizou o curta-metragem "Iluminados" com recursos do Prêmio Estímulo da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. O filme foi selecionado por importantes festivais e contemplado com diversos prêmios, entre os quais se destacam: Prêmio Camões de Melhor Curta-metragem no Festival du Cinéma Lusophone & Francophone, Montpellier – França; Melhor roteiro de curta-metragem no 9º Festival de Cinema de Maringá, Maringá – PR; Melhor fotografia de curta-metragem no 5º Festival de Cinema de Triunfo, Triunfo – PE; secionado para a seção La Hora del Corto do 33º Festival Internacional del Nuevo Cine Latinoamericano, Havana – Cuba; Selecionado para a seção Panorama do 4º International Experimentation CINETORO Film Festival, Toronto – Canadá. Em 2012 , deixou o trabalho na agência para dedicar-se exclusivamente à elaboração e desenvolvimento de projetos audiovisuais independentes.